Sete dicas que você precisa saber antes de decidir financiar seu imóvel

FINANCIAMENTO

Você demorou mas chegou lá. Enfim decidiu pela compra da casa própria e envolveu toda a família neste sonho. Enfim poderia descansar? Não. Seu desafio ainda não está completo. É preciso estar atento ao financiamento bancário. Seja no imóvel novo, vendido pela construtora, ou o imóvel pronto, é preciso estar atento para algumas dicas antes de assinar qualquer coisa. Elas podem ajudar você a não entrar em uma fria.

Primeira dica: descubra se o seu financiamento será realmente aprovado pelo banco, antes de dar qualquer sinal. Sim. O sinal que você dá não é garantia de que você vai conseguir pagar o resto com o financiamento.

Para que ele passe, é preciso que vendedores e compradores estejam limpos nos cadastros e nas certidões de dívidas e o imóvel esteja legalmente documentado para que possa ser hipotecado. Isto é importante, porque se algo não der certo, você vai pagar uma multa porque deveria financiar, mas em razão da negativa do banco, não vai poder levar o negócio adiante.

Segunda dica: o seu sinal é pequeno e está no limite daquela parte em dinheiro exigida pelo banco? Faça antes a avaliação do imóvel que você está comprando. Isto porque o banco só empresta até o limite autorizado do valor avaliado. Explico: se o imóvel custa R$ 100 mil, você deu R$ 20 mil em dinheiro e espera que o banco dê R$ 80 mil no financiamento, mas a avaliação do imóvel ficou em R$ 80 mil. Neste caso, o banco só vai dar 80% do valor (R$ 64 mil) e você vai ter de completar os R$ 16 mil que ficaram abaixo da avaliação de outra forma. Se não tiver o dinheiro, vai acabar desistindo do negócio e pagando multa por isso.

Terceira dica: esqueça o banco do coração ou aquele gerente da conta que você tem há 30 anos. O mercado é ativo e muito concorrente. Antes de entrar em conversa de vendedor, faça uma simulação nos principais bancos e use as taxas mais baixas conseguidas para que o novo gerente cubra a oferta. Assim funciona a economia de mercado.

Quarta dica: você é do tipo que não gosta de matemática e fica com a cabeça toda embaralhada quando começa a tentar entender juros e porcentagens? Então peça ajuda. É fundamental saber quanto estão lhe cobrando. Isso porque para vender o serviço é comum, quem vende, falar apenas nos juros básicos, sem informar adequadamente sobre o juros total do negócio. Isso além dos custos com seguro, taxas, contratos e, importante, a variação da inflação. Sim, em dias de inflação em alta, não se iluda sobre o seu parcelamento decrescente. Não existe parcela que baixe com a inflação em alta e todos os contratos consideram essa variação na economia.

Quinta dica: você é do tipo intelectual que olha para o contrato com aquela pose de que domina o assunto, mas na verdade não consegue nem entender direito as letrinhas. Chame um corretor ou seu advogado. Apesar de ser um contrato de adesão, onde você não pode mudar a essência do que está escrito, não assine se algo lhe parecer demasiadamente desvantajoso. O que parece uma oportunidade em um primeiro momento pode gerar uma baita dor de cabeça se mal avaliado.

Sexta dica: assinado o contrato, não esqueça que você precisa de dinheiro para fazer valer o financiamento. Isto porque com o contrato em mãos, você vai reconhecer as assinaturas, pagar o ITBI, que em Belém chega a 2%, e registrar no Cartório de Registro de Imóveis. É comum o comprador ficar muito no limite e não ter dinheiro para concluir o negócio com esta legalização. É quase como morrer na praia.

Sétima dica: olho nas suas despesas pessoais. Os bancos indicam que o valor da parcela não pode ser maior que 30% da renda bruta da família. Isto é relativo. Tem gente que anda tão endividado ou tem tão comprometida a renda que terá dificuldades para separar 30% para pagar a prestação. A partir de 3 meses de atraso, o banco, pode, depois de regularmente notificar o cliente, levar seu imóvel a leilão. Vai dar trabalho e dinheiro consertar os efeitos dessa inadimplência.

Salomão Mendes é especialista do Mercado Imobiliário, colunista do ORMNews e Ceo da Unimovel.
salomao@unimovel.net