Quando, para o paraense, comprar um imóvel na Flórida pode ser um péssimo negócio

Florida

Com a crise econômica e política cada vez mais séria, não são poucos os brasileiros, e em especial os paraenses, fazendo as malas para viverem o sonho americano. Com o Green Card acessível para quem investir em uma empresa lá a partir de U$ 500 mil, gerando empregos, o projeto parece estar encaminhado.

Muito antes disso, a simples comparação entre o mercado imobiliário de Belém e o de Orlando era tentadora. Tanto que muita gente fechou negócio de olho apenas no preço, sem fazer a conta real do negócio. Resultado. Está perdendo dinheiro e pior: não consegue de desfazer do ‘mico’ em que entrou.

Preço não é tudo e os mercados são diferentes. Por exemplo: se o comprador não mora na Flórida (ou em qualquer estado americano) e apenas passa férias por lá, um imóvel próprio é uma fria. É preciso manter a casa habitável e os impostos são altos. Em cidades como Boca Raton, um dos destinos preferidos dos emigrantes que saem de Belém, com muito dinheiro no bolso, o equivalente ao IPTU chega facilmente a 5% do valor do imóvel, pago todo ano. E não adianta tentar esconder ou reduzir o valor para burlar o tesouro americano. Por lá, o ‘jeitinho brasileiro’ pode se revelar um problemão para quem não seguir as leis.

A sua casa deve ser alugada por temporada, normalmente para sul americanos, mas as despesas não param, Você pode perceber que vai pagar caro para manter este sonho. Isso sem falar na gangorra do câmbio. Muitos compraram o imóvel com o dólar a R$ 2,30 e já precisam desembolsar a prestação do financiamento, em dólar, pagando mais de 30% (uma vez que o dinheiro sai daqui) mais caro.

Outra ilusão é o imóvel barato a qualquer preço. Um amigo comprou um apartamento de mais de 100 metros quadrados com 3 quartos em um condomínio de luxo dentro de um clube de golfe pelo equivalente hoje a pouco mais de R$ 200 mil. Só depois descobriu que os donos do apartamento precisam pagar a mensalidade do clube. Mais U$ 2.000 na conta. O barato saiu caro e agora o tal não consegue passar o negócio adiante.

Se vai morar por lá, opte primeiro por alugar e conhecer as escolas onde seus filhos vão estudar. Sim, porque eles vão estudar perto da casa que você mora por uma imposição legal. Veja a vizinhança, pesquise condições de trabalho e que não sejam tão distantes. Hoje existem profissionais especializados em dar dicas que vão desde como comprar o imóvel certo até como abrir sua empresa.

Nesta onda de ‘o último a sair apague a luz’, é bom ter cuidado para não esquecer a lanterna.

Salomão Mendes é especialista do mercado imobiliário e CEO da Unimovel.

salomao@unimovel.net